15.7.14

Cantares de Andarilho






Cantares de Andarilho.

Independente de Cantanhede - 05-Jun-2007

À primeira vista é apenas uma modesta casa comercial situada no topo mais ocidental do largo da vila. Porém, poucos saberão que, por detrás das paredes do nº 315 da Rua Dr José Gomes da Cruz, passou e conviveu gente famosa como os cantores Zeca Afonso e Carlos Paião, entre outros.


É com um misto de saudade e emoção que João Oliveira “Alfaiate”, hoje com 82 anos, se refere ao seu antigo Café Escondidinho: “Foi aqui que nasceu a canção Cantares do Andarilho, com Zeca Afonso a ensaiar os primeiros acordes acompanhado pelo seu viola Rui Pato”, conta este antigo alfaiate, o último a abandonar esta profissão na vila da Tocha.

Também Carlos Paião, celebrizado mais tarde através da canção Em Playback, que o lançaria numa efémera carreira a solo devido à sua morte precoce num acidente de viação, “aqui retemperava energias com umas bifanas e uns copos” sempre que o conjunto Ideal Ritmo, de Ílhavo, onde foi vocalista, vinha actuar no primitivo e vizinho salão da Associação Recreativa 1º de Maio, no intervalo dos bailes.

Hoje, transformado em retrosaria, do antigo café restam as pinturas alusivas nas paredes, junto ao tecto, únicas marcas que ficaram de um passado cheio de histórias, saudade e encanto.

29.5.14

Concerto Solidário - 2005


Concerto de Solidariedade para a construção do Barracão de Cultura de Macieira - Lixa

Com José Mário Branco; Tino Flores e Francisco Fanhais


Dois vídeos com cerca de 55' cada, onde para além das canções dos cantautores presentes se homenageia Zeca com muitas canções do seu reportório.

A foto é o fim do concerto onde se canta "Grândola, Vila Morena".

Vale a pena ver e ouvir.

1º vídeo


2º Vídeo



28.5.14

Zeca Afonso

Baladas de Coimbra - 1963


Este EP foi gravado gravado no Mosteiro de S. Jorge de Milreu - Coimbra tem como acompanhante à viola Rui Pato.

Letra e música de Zeca nas canções "Os Vampiros" e "Menino do Bairro Negro" e musicou as outrsa duas composições.

Enquanto no "Os Vampiros" a letra versa contra a opressão do capitalismo, já o "Menino do Bairro Negro" foi inspirado na miséria do Bairro do Barredo - Porto que devido à ida dos homens para a guerra colonial e à emigração, fez crescer os bairros de lata na periferia das grandes cidades.

É um grito contra a marginalização e a pobreza do nosso povo que mesmo após o 25 de abril de 1974 não conseguiu resolver a situação e agora volta-se a cair nessa pecha da sociedade portuguesa. Não há guerra colonial mas a pobreza aí está, marginalizando de novo o povo sofrido para as periferias do urbanismo sócio-económico mais resistente.

Aqui ficam as quatro canções:

Os Vampiros

Canção do Vai... e Vem

Menino do Bairro Negro

As Pombas

21.5.14

Baladas de Coimbra - 1962


Este EP, os 4 temas são musicados por Zeca Afonso, tem a particularidade de ser o 1º disco onde a presença de Rui Pato então com 16 anos (que viria a acompanhar até 1969 altura que a PIDE impediu Rui Pato de ir até Londres para gravação do álbum "Traz outro amigo também" devido à participação do Rui na Crise Académica de 1969. Como resultado dessa crise na final da Taça de Portugal no Jamor não houve presença de nenhum elemento ligado ao governo e a RTP não transmitiu a final entre Académica vs Benfica que o Benfica viria a vencer por 2-1 no prolongamento com o inevitável Eusébio a marcar o golo da vitórias) se faz sentir. Seria o confirmação do fim da guitarra no acompanhamento, tendo a partir deste EP os acompanhamentos feitos só a viola (já começada nas duas baladas inseridas no disco "Coimbra Orfeon of Portugal" nas canções do Zeca "Minha Mãe e Balada de Aleixo"). Como referi no tema dedicado a Rui Pato, Rui gravou com Zeca três EP's, três LP's e um single num total de 49 temas.

"Menino de'oiro", letra e música de Zeca, era a canção preferida da mãe do Zeca.

Aqui ficam as quatro canções desse EP:

Menino d'Oiro
Tenho Barcos, Tenho Remos
No Lago do Breu
Senhor Poeta

Coimbra Orfeon of Portugal - 1962



Disco de 1962 LP onde para além de outros cantares estão incluidas duas canções de Zeca Afonso: «Minha Mãe» e «Balada Aleixo».

Zeca deslocou-se a Angola integrado no Orfeon em 1960.

Foi este o primeiro disco do Zeca onde as guitarras deixaram de o acompanhar. As violas foram o instrumento musical que Zeca utilizaria a partir deste disco nas suas gravações tendo voltado em 1981 ao fado de Coimbra com o "Fados de Coimbra e outras Canções".

Diz José Nisa sobre estas duas canções:

«A gravação de "Minha Mãe" ficou à primeira ou à segunda tentativa, quando íamos gravar "Balada Aleixo", o Zeca tinha desaparecido. Só faltava esse tema para acabar o LP e do Zeca nem sinal. O desesespero era total e à uma da manhã aparece o Zeca. Tinha ido assistir à estreia do CITAC, ao Teatro Avenida. Foi então a "Balada Aleixo" gravada, os americanos respiraram de alívio. Este disco foi editado nos Estados Unidos da América.

Aqui ficam as duas baladas:

Minha Mãe
Balada Aleixo

Fados de Coimbra - 1960



Depois de ter aqui apresentado os 1ºs discos do Zeca, este "Balada de Outono" foi gravada 4 anos depois, Zeca inaugura uma nova fase da música portuguesa. Rompe definitavamente com as guitarras e o fado pelas baladas.

Curiosamente Zeca não deu grande importância a este seu início de carreira dizendo em 1985 quando foi interpelado sobre o assunto: «Gravei uns faditos de Coimbra» Nada mais disse!


Mas disse Manuel Alegre: «O José Afonso nessa altura cantava fado tradicional e até tinha uma certa relutância à mudança. Nessa altura ele era um bocado partidário da 'arte pela arte'».

Aqui ficam as quatro músicas que compõem esse LP.

Balada de Outono

Vira de Coimbra

Amor de estudante

Morena - Instrumental

1º discos de Zeca Afonso - 1953

Dois discos vinil em 78 rpm - editados pela "Melodia"



Contos velhinhos
Incerteza
O Sol anda lá no céu
Fado das Águias

José Niza na biografia do Zeca Afonso (José Afonso, Edição e distribuição MoviePlay Portuguesa S.A.) situa nas Edições Originais, o fado "Solitário" (Discos Alvorada e não Melodia) fazendo parte juntamente com o "Sol anda lá no céu"; "Contos Velhinhos" e o "Fado das Águias" como sendo as quatro canções que fazem parte dos dos primeiros discos do Zeca em 1953, referindo que o autor do "Fado das Águias" tem letra e música do Zeca.

Uma grande confusão e isto em 1953 com o Zeca. Imagino se debruçasse sobre cantores anteriores a esta data.

Os Amigos de Zeca

(na foto Letria, Afonso, a mãe, Isabel, José Duarte e Adriano)

José Mário Branco

Claro que não vou fazer a biografia e o percurso do JMB, mas sim a influência que o mesmo teve nas músicas do Zeca, embora resumida senão poucos leem.


JMB dirigiu (arranjos e direção musical) dois discos do Zeca; "Cantigas do Maio" e "Venham mais cinco".

Até hoje e quem sou para desdizer, "Cantigas do Maio" foi considerado o melhor LP do Zeca (lembro-me que foi o 1º álbum que gravei em cassete, ainda os cd's eram uma miragem).

Em 1971 Zeca foi até Paris para gravar num dos mais caros e afamados estúdios da europa, os de Herouville, de Michel Magne.

Foi aí que surgiu tantos êxitos do Zeca entre eles "Maio Maduro Maio", "Milho Verde"; "Coro da Primavera" e o "Grândola Vila Morena".

Neste disco foram introduzidos vários instrumentos musicais até inéditos nas músicas do Zeca: darbuka, o bongo berbere, as tumbas, o adufe, o tamborim etc, atec. Já agora como curiosidade aquele som que se ouve no Grândola, são passos no areal. Nem Steven Spielberg faria melhor!

José Mário Branco nestes dois LP's referidos, foi sem dúvida a pessoa ideal para que a partir do "Cantigas do Maio" a discografia do Zeca ficasse mais enriquecida, caso não houvesse outros discos de igual qualidade mas não há dúvida que este LP é a cereja no topo do bolo.

Tudo isto porque um dia, JMB tomou em mãos a orquestração e arranjos desta maravilha.

.... E porque estamos na Primavera e em Maio mês das flores, aqui ficam para audição...



e