13.2.14

O Cifrão






O motivo que está nesta foto dá que pensar.

Todos sobem ao encontro do mesmo, do cifrão. Escalam na vida procurando o conforto no símbolo que cria a ganância, o desprezo pelos outros, o espezinhar para subir mais depressa, sem valores morais, sem ética, sem respeito.

Assim é o Homem com exceções. As tais exceções que confirmam a regra. A lei do cifrão "fala" sempre mais alto.

Sejamos diferentes!

8.10.13

O Que é um Salário!?

Mais medidas de austeridade vão cair sobre a cabeça dos portugueses, dos pobres que nos ricos e causadores da situação em que caímos ninguém toca.

Isto escrevi num tema de uma pessoa amiga que, como milhares de portugueses, teve que emigrar para terras de França e perguntava que lhe explicassem o que é isso de salário como se fosse uma criança de 4 anos. Para todos os que não sabem há muito tempo o que é receber o produto de um trabalho que ninguém lhes dá...




Eu explico-te, senta-te aí.

Era uma vez um Império. Um Império que dominou parte do mundo. Surgiu e desapareceu como acontece com todos os Impérios. Foi o Império Romano.

Nessa altura o pagamento primário aos seus soldados era feito através de sal que em latim se diz "salarium", era o "salarium argentum" ou seja "pagamento em sal". Daí surgiu o salário tão nosso conhecido nos nossos tempos. Nosso conhecido menina(o) de quatro anos?

Assim como havia uma pequena aldeia que resistia aos avanços de César, hoje também há um governo que resiste em dar emprego ao povo a quem jurou prestar toda a sua vontade em o servir.

Então, retirando a hipóteses de poder crescer a economia para que todos pudessem ter o seu emprego e o seu salário, faz exatamente o contrário, fez aumentar o desemprego. Daí minha pequena amiga(o), há muitos em Portugal que não sabem o que isso de salário é.

Talvez voltemos aos tempos da antiga Roma e se veja a dar um punhado de sal para, ao menos, temperar uma panela cheia de nada!




Nota final: Sei que a pessoa amiga arranjou trabalho em França. Quando há dignidade qualquer trabalho nos serve, mas é triste saber que tanto ela como muitos que deram o melhor de si, tivessem que sair de Portugal para terem o trabalho que lhes falta no seu país de origem. Ninguém gosta de sair mas, hoje como ontem, só uma mala de cartão levam como bagagem, e a saudade no coração.

13.2.12

Um Povo Piegas!



Um primeiro-ministro de 38,6% dos portugueses (não meu porque não votei nele, assim como da maioria que foi a abstenção com 41%) disse para os portugueses serem menos piegas e trabalharem mais. Como Português que sou e como trabalho desde os 12 anos e ainda não estou reformado, sinto-me indignado com este rótulo ofensivo à minha pessoa ao mandar-me trabalhar mais, pois está-me a chamar mandrião!

Mas ao facto de me chamar piegas, tenho que lhe dar ‘razão’. Todos os meses sou piegas porque 'choro' o que me é 'roubado' por este governo, e o meu subsídio de férias e de natal vão à 'viola' (não, não sou funcionário público mas pago como tal) para pagar outros roubos que não fui eu quem os cometeu. Devido a isso vou alterar o meu 'nick', vou passar a ser Marius70 Piegas.

Por isso português, deixa-te de pieguices e trabalha mais, diz quem nunca nada fez do alto do seu poleiro. E a resposta do povo pá a este epíteto? Faz cócórócócó, abaixa a cabeça e levanta o rabo!

Como o diz Sérgio Godinho "O Galo é o Dono dos Ovos", mas os pintos, que por enquanto são poucos, podem dar a volta à capoeira.



P.S. - Digo em cima que não sou funcionário público e não o sou. Mas pelo facto de não o ser, não significa que concorde que os funcionários públicos, pelo facto de o serem, tenham que pagar a fatura do país. Que culpa têm eles do país estar assim? O BPN era público? Os compadrios e adjudicações de empreitadas a pagar à fartazana eram os funcionários públicos comuns que o faziam? Se considerarmos os governantes, que esbanjaram o nosso dinheiro e fez cair o país na situação difícil que está, como funcionários públicos então que sejam eles, os governantes, a pagar a crise. Nesses ninguém mexe, mas os que trabalharam em prole da nossa educação, dos serviços sociais, vivem do seu emprego e se dedicam de corpo e alma à sua função (dos outros que nada fazem, em todo o lado há disso não é só no funcionalismo público e são estes a pagar a 'fatura' dos que fogem ao fisco no privado pois não há volta a dar já que o desconto vem sempre tributado no vencimento mensal) os funcionários, por isso mesmo (por descontar na fonte) são o elo mais fraco da cadeia.

Mas há quem se sinta satisfeito por isso e procurem denegrir e colocar no mesmo saco todos os funcionários públicos. São aqueles que nada fazem e recebem o rendimento social de inserção (nome pomposo) à custa de quem trabalha, ou aqueles que nada fizeram na vida mas quando chegam à reforma muitos deles (nem todos, claro), até dizem que foram uns 'mouros' de trabalho.

Só se o foram na tasca!

28.1.11

É Um Fartar Vilanagem





A crise, como sempre, é só para os mesmos, para os gestores públicos... Crise? O que é isso?

No dia em que os cortes nos salários dos gestores públicos estiveram em debate nunca é demais lembrar quanto ganhavam em 2009 alguns dos homens mais bem pagos do país a trabalharem em empresas do Estado. Algumas empresas registaram prejuízos no balanço.

Assim, a TAP, empresa emblemática do sector público, surge à cabeça entre salários, prémios e regalias. O presidente Fernando Pinto ganhou 637 mil euros anuais, o que representa uma remuneração mensal de 45 mil euros.

Segue-se a Caixa Geral de Depósitos (CGD) que, no sector empresarial do Estado, é a empresa que mais lucros gera. O presidente do banco público levou para casa 560 mil euros ao fim do ano, ou seja, 40 mil euros por mês.

Já o vice-presidente Francisco Bandeira ganhou um pouco menos, 558 mil euros, o que representa 39 mil euros ao fim de cada mês.

À frente dos CTT, Estanislau Costa auferiu a quantia de 300 mil euros anuais - 21 mil euros por mês.

Na Parpública, empresa que gere as participações financeiras do Estado, João Plácido Pires ganhou 249 mil euros, ou seja, 18 mil ao fim de cada mês.

E na mais mediática de todas, na RTP, o presidente Guilherme Costa ganhou 254 mil euros, o que dá 18 mil por mês. E isto no ano em que a televisão do Estado teve prejuízos de 14 milhões de euros e registo de uma dívida acumulada à volta de 800 milhões.

Fonte: Agência Financeira


... E é isto um país em crise!

3.12.10

Corrupção

Portugal subiu três lugares no ranking da corrupção

Leis "herméticas", um aparelho de Justiça que "não funciona" e resultados "nulos" no combate à corrupção colocam Portugal na 32.ª posição no quadro dos 178 países analisados pela Transparência Internacional (TI) quanto à percepção da corrupção.

aeiou.visao.pt/ - 9:01 Terça feira, 26 de Out de 2010


Portugal é um país onde o corrupto sobe na escala dos valores morais. Desde presidentes de Câmara, eleitos mais que uma vez, negócios de sucata e “Freeports” tudo vale neste país à beira-mar plantado. Como isso, na maior parte das vezes, acontece com pessoas de colarinho branco (O crime do colarinho branco, no campo da criminologia, foi definido inicialmente pelo criminalista norte-americano Edwin Sutherland como sendo "um crime cometido por uma pessoa respeitável, e de alta posição (status) social, no exercício de suas ocupações") quase sempre prescreve sem que os autores sejam condenados por tais actos.

A “arraia-miúda” claro que não escapa às malhas da “justiça” pois o colarinho mesmo que seja branco à partida, como a corrupção não é de grande monta, fica sujo em pouco tempo devido à falta de meios financeiros para o poder mandar lavar.

Bem podem bradar os defensores dos bons costumes pela desigualdade com que a justiça trata uns e outros mas estão a bradar no deserto, pois quem está no poder é “intocável” e até arranja leis que os defenda como terem que suspender da sua condição política para que seja ouvido pela justiça. Claro que muitos não o fazem.

A corrupção não é só em Portugal conforme análise da TI. Em 178 países, Portugal ocupa a 23ª posição, mas com os outros eu posso bem pois sou português e se em Roma sê romano, em Portugal sê português. Mas também me servem os exemplos dos outros como neste vídeo. A deputada brasileira Cidinha Campos põe o dedo na ferida quando refere a corrupção existente no Tribunal de Contas brasileira. Corruptos a candidatarem-se a este Tribunal. A corrupção é mundial, mas mulheres ou homens como a Cidinha há poucos. Diz ela: "Quanto mais ladrão, mais querido". Tiro-lhe o chapéu.

7.4.10

Francisco Fanhais





Hoje fui ver e ouvir Francisco Fanhais no Teatro da Trindade. Como Carlos Mendes o referiu, é um dos últimos puros cantautores que restam do sonho de Abril de 1974. Francisco Fanhais sente e ainda acredita num país melhor sabendo nós que isso é pura utopia. Já nada é como dantes. À capa da democracia eles, os vampiros, andam aí.

Perguntou Fanhais que resposta temos para os nossos filhos quando nos perguntarem o que fizemos por eles e se silêncio for a nossa resposta é sinal de cobardia. Não, não é Francisco!!! Nós fizemos muito pelo futuro deste país, ela juventude, é que não faz nada e nem querem saber do futuro deles. Limitam-se a vegetar e a ver os tais vampiros das telenovelas da TV. Nós viemos para a rua lutar, eles vêm para a rua esperando que alguém lute por eles. E assim os burros continuam a governar e, como tu cantas nas tuas «Quadras de Aleixo»:

Há tantos burros mandando
Em homens de inteligência,
Que às vezes fico pensando
Que a burrice é uma ciência!

Quem trabalha e mata a fome
Não come o pão de ninguém;
Quem não ganha o pão que come,
Come sempre o pão de alguém


E os "pinóquios" continuam a comer de graça, o pão do povo que trabalha.

Emocionante o teu monólogo sobre a canção «Corpo Renascido». Sangue do teu sangue continua no corpo dos teus netos.

A leitura da carta do Zeca, de quem és um digno sucessor, foi um dos momentos altos da tua presença no Teatro Trindade. A tua voz emocionada lembrando o mestre e amigo que um dia te disse:

«Tu que cantas defronte de faces atentas e seguras, faz do teu canto uma funda. Nesse lugar, entre outras mãos mais fortes e mais duras, te estenderei a minha mão fraterna. Canta amigo!»

Que nunca te cortem as asas pois o rouxinol tem que voar, mesmo sendo um voar sobre uma utopia, pois os tempos Francisco, são já de rouxinóis sem bico.

Outras canções:

Clicar Aqui

28.9.09

Os perdedores... que vencem!





Só neste Portugal dos pequeninos é que isto acontece, alguns partidos perdem mas vencem sempre.

O grande derrotado das Legislativas foi sem dúvida o PS. Onde é que está a vitória apregoada por Sócrates: “O PS teve esta noite uma extraordinária vitória eleitoral”, quando o PS perde a maioria e, em comparação com as eleições Legislativas anteriores, perde 25 deputados (sem contar com a emigração), na Assembleia da República?

Isto é vitória? Isto é uma derrota tremenda para esta direcção do PS, pois o eleitorado do PS nas Legislativas de 2005, da maioria absoluta, deu o seu voto ao BE e à CDU.

Pode-se dizer que também é uma derrota para o PSD que colocou a fasquia muito alta e com uma Ferreira Leite que se propunha ser a primeira-ministra, a votação foi um fracasso mas curiosamnente ganhou mais três deputados, de 75 passou para 78 (ainda sem os votos da emigração).

O CDS foi o que teve a maior subida (de 12 passou para 21 deputados), foi buscar votos ao PSD e se calhar também ao público feminino que andava indecisa entre o Paulinho das feiras e o bloquista Louçã.

Muitas mulheres fazem-me lembrar um jogo de futebol, não percebem, na sua maioria, nada de bola, mas sabem quem tem as pernas mais sexys.

O BE duplicou os deputados de 8 para 16. Louçã não cabia em si de satisfeito. Mas atenção Louçã, não embandeire em arco, pois quando o PS voltar a ser PS a queda vai ser grande, o PRD do Martinho também subiu muito e depois desapareceu.

Um dos grandes vencedores foi sem dúvida a CDU. Não teve uma grande votação? Pois não!!! Mas tem mais um deputado e foi buscar poucos mas bons votos. Grão a grão enche a galinha o papo e a CDU vai mantendo o seu eleitorado e quando tiver que cair, a queda não será tão acentuada como poderá suceder ao CDS e ao BE.

O maior vencedor foram as abstenções, 39,4%. Desde 1975 que tal não acontecia nas Legislativas

Agora vêm aí as Autárquicas, onde o galinheiro vale pelos galos e galinhas que tem. Ou se fez bom trabalho e o povo vota, ou não se fez um bom trabalho e o povo muda, seja ele da esquerda, do centro ou da direita.

Curioso é que as grandes obras são feitas sempre nesta altura para iludir o eleitorado, mas se se roubam fardos de palha para dar aos burros, pode ser que os "burros" não gostem e lhe mandem os fardos à cara.

23.9.09

Eu tive um sonho!...







«Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão»



Eça de Queirós









"Alea jacta est" (a sorte está lançada) disse o imperador romano Júlio César quando atravessou o rio Rubicão lançando Roma numa guerra civil.

Os nossos políticos como pequeninos que são e não têm a estatura de um Júlio que procurou tornar-se rei numa república e foi assassinado aos pés da estátua do fidagal inimigo Pompeu, procuram argumentos para captar o voto do povoléu prometendo o que não vão cumprir.

E, assim, neste Portugal dos pequeninos, dois partidos digladiam-se procurando cada um mostrar que um é pior que o outro. Fazem promessas a torto e a direito. Arranjam camionetas e, com as mesmas pessoas, enchem os pavilhões tanto em Braga como em Alguidares de Baixo. Haja bailarico, comes e bebes e 50 euros para comprar o voto e essas pessoas até vendem a própria alma ao diabo se for necessário.

As promessas:

- Vamos cumprir o que prometemos em 2005 e não cumprimos e o povo rejubila.

- Vamos baixar o IVA que aumentamos em 2002 (foi aumentado de 17 para 19%) e o povo rejubila.

- Vamos acabar com os PPR diz quem os subscreveu e o povo rejubila.

- Vamos acabar com o rendimento mínimo de quem nada faz e o povo rejubila.

- Vamos parar, por enquanto, a campanha para ver o Benfica na TV e seis milhões de portugueses rejubilam.

Disse um dia Martin Luther King: - Eu tive um sonho... Tenho eu também um sonho, de um dia estes políticos falarem numa qualquer campanha e só o silêncio os escutar.

31.7.09

Manuel Freire





Paradoxalmente de Manuel Freire não foi a canção “Pedra Filosofal” (1969) que me deu a conhecer este cantautor (em Angola, na época, não havia TV e o conhecimento do programa Zip-Zip era nulo). Em 1968 já era muito conhecido pelas interpretações de “Pedro o Soldado"“ poema de Alegre musicado por Manuel Freire:

Já lá vai Pedro soldado
Num barco da nossa armada
E leva o nome bordado
Num saco cheio de nada
Triste vai Pedro soldado


Pelo poema, “Dedicatória”, de F. M. Bernardes:

Se poeta sou
Sei a quem o devo
Ao povo a quem dou
Os versos que escrevo


A canção “Livre” – “Não há machado que corte, a raiz ao pensamento” - foi para mim um dos que mais contribuíram, para a minha paz interior quando me encontrava na tropa, no mato, já que o meu pensamento voava para outras paragens, para longe da guerra, para longe de tudo e de todos e via-me nas praias de Luanda olhando o mar em silêncio.

E depois havia uma outra canção, “Eles” , letra e música de Manuel Freire, que tocava a todos os que se viram obrigados a saírem de Portugal, a salto ou com uma carta de chamada, para longe dos seus como aconteceu a meu Pai e a tantos outros:

Ei-los que partem
novos e velhos
buscando a sorte
noutras paragens
noutras aragens
entre outros povos
ei-los que partem
velhos e novos


Anos mais tarde compro o LP “Dedicatória” que teve a colaboração de Fernando Alvim e Pedro Caldeira Cabral.

 

Para ampliar, clicar na imagem

Manuel Freire nasceu em Vagos no dia 25 de Abril de 1942. Muito jovem (16 anos) apoia a candidatura do General Humberto Delgado. Estudante em Coimbra, toma contacto com José Afonso e Adriano Correia de Oliveira. Mesmo depois de ter ido para o Porto, para um meio em que a crise académica que grassava em Coimbra não era tão evidente, Manuel Freire continua a cantar canções de cariz social e política. Como era de esperar a Censura proibiu-lhe os temas "Lutaremos meu amor", "Trova", "O sangue não dá flor" e "Trova do emigrante". Em 1969 vai ao programa Zip-Zip e o belíssimo poema de António Gedeão “Pedra Filosofal” musicado por Manuel Freire, torna-se um ícone da canção de intervenção.

No entanto, eu continuo a não saber a letra desta canção, mas nunca esqueci as que referi quando, menino e moço, as cantava lá longe onde o sol castiga mais!

A uma pergunta minha se alguma vez tinha actuado com o Zeca Afonso em Cabinda (onde fiz a tropa) disse-me Manuel Freire:

“Sobre a sua questão: não, não estive com o Zeca em Cabinda, em 74. Mas estive em Luanda em 73, pela 1ª vez, num espectáculo que começou à meia-noite e acabou com o dia nascido…”

Pois é Manuel, afinal os que estavam em Angola não eram tão reaccionários como os “pintavam”, também lá, como cá, havia gente que, com lágrimas nos olhos, cantava:

(Não há machado que corte
a raíz ao pensamento) [bis]
(não há morte para o vento
não há morte) [bis]

Se ao morrer o coração
morresse a luz que lhe é querida
sem razão seria a vida
sem razão

Nada apaga a luz que vive
num amor num pensamento
porque é livre como o vento
porque é livre



Não há morte para o pensamento pois o homem nasceu para ser livre!

Outras músicas de Manuel Freire

AQUI ou clicar no nome deste cantautor na barra lateral e a página dedicada a Manuel Freire aparece no cabeçalho.

Um "pedido" para o Manuel Freire

Comentário nº144 de Mário Rui em 2009-06-25 15:54:02 no "Livro de Visitas" do meu Cantores de Intervenção passo a citar:

"Se me permites estas palavras de agradecimento são também para Manuel Freire cantor de poetas como os que sabem, mas para um caso em particular (Manuel que o diga) que é António Gedeão (ou Prof. Romulo de Carvalho) que o Manuel tão bem canta. Manuel quando um espetáculo em grande em Lisboa Um Canto Livre para os "jovens" de todas as gerações. Pensa nisso "nós" ajudamos no que for preciso."

Fim de citação.

Não sei quem é o Mário Rui, talvez o Manuel Freire o saiba, mas o pedido fica aqui registado.

Fontes: "Canto de Intervenção" de Eduardo M. Raposo e Wikipédia.

2.6.09

O Voto é do Povo



SABIAM QUE O VOTO EM BRANCO É O MAIS EFICIENTE ???

Leiam mas não se esqueçam que temos de ir lá e ir votar, caso contrário esta "gente" que nos diz governar não aprende.

SE VOTAREM EM BRANCO, ou seja, receber o boletim, dobrar e entregar sem mais nada o que acontece, se a maioria da votação for de votos em branco, eles são obrigados a anular as eleições e fazer novas, mas com outras pessoas diferentes nas listas.

Nenhum politico fala nisto... porquê?

Imaginem só a bronca...

A legislação eleitoral tem esta opção para correr com quem não nos agrada, mas ninguém fala disso.

Não risquem os votos, porque serão anulados e não contam para nada.

VOTEM EM BRANCO!...

Não esquecer que enquanto o País está em crise, os deputados da Assembleia da República receberam carrinhos novos no valor de mais de um milhão de euros

O desemprego aumenta, as fábricas fecham, o povo vem para a rua e os eurodeputados vão para o Parlamento Europeu receber o dobro do que ganhavam. De 3815 euros passam para os 7665 brutos. Isto sem esquecer outros subsídios.

Não nos esqueçamos que os chamados partidos da oposição que tudo contestam, aprovaram por unanimidade a Lei do Financiamento dos Partidos, que passou de 20 e tal mil euros para um milhão e alguns trocos em dinheiro pois como sabemos o dinheiro não fala e depois vêm dizer que não há «lobbys». Ai não, não há!... São uns "beneméritos" as empresas que dão por fora uns dinheiritos para os partidos.

O Vital Moreira, um dos tais que cospe na mão que lhe deu de comer, dizia em 18 de Novembro de 2008 no Jornal "Público" o seguinte sobre os Professores, passo a citar:

a) Que não existe qualquer razão para que os professores não sejam avaliados para efeitos de progressão na carreira;

b) Que os professores não gozam de direito de veto em relação às leis do país, nem podem auto-isentarem-se do seu cumprimento, pelo que não é aceitável qualquer posição que implique resistência à aplicação do actual modelo de avaliação;

c) Que o governo não pode ceder às exigências dos professores, devendo antes abrir processos disciplinares a todos aqueles que ponham em causa a concretização da avaliação dos docentes tal como foi congeminada pelo Ministério da Educação;

d) Que o governo, na batalha contra os professores, deve esforçar-se por chamar a si a opinião pública, isolando, desta forma, a classe docente.


Fim de citação


Domingo vamos dar-lhes a resposta!... Vota em branco!

P.S. - Diz a Comissão Nacional de Eleições (CNE) que não é verdade que uma maioria do voto em branco implique novas eleições, passo a citar:

"Os votos em branco, bem como os votos nulos, não sendo votos validamente expressos relativamente a cada lista concorrente à eleição, não têm influência no apuramento do número de votos e da sua conversão em mandatos".

Fim de citação.

Pode não dar para novas eleições mas demonstra inequivocamente que os Portugueses deixaram de acreditar nos políticos que temos.